Páginas

OFICIO TJPR ACABANDO COM A FARRA DOS CARTORIOS DE TITULOS E DOCUMENTOS!!

 

este oficio circular do TJ n° 37/2010 manda acabar com a farra dos cartorios que pegam clientes de outras cdades... como muitas fazem com os cartorios de curitiba...

pois fazem um preço mais abaixo...

na realidade o que esta no ofico é o que esta na lei e nas decisoes do cnj ha muito tempo....

as coisas estao entrando no eixo!!!!!!!!!!!!!!!!!!

abraços

segue cópia do oficio:

Curitiba, 31 de março de 2010.
Ofício-Circular nº 37/2010
Autos nº 2009.324392-0/0

Assunto: Artigo 160 da Lei de Registros Públicos

Sr. Registrador de Títulos e Documentos do Estado do Paraná

Em razão do contido no artigo 160 da Lei de Registros Públicos e no item 13.4.1 do Código de Normas, e reiterando os termos dos ofícios circulares 50/00 e 207/2007 desta Corregedoria-Geral, nas notificações realizadas pelos Serviços de Registro de Títulos e Documentos uma das partes (notificante ou notificando) deve ser necessariamente domiciliada (CCB, arts. 70 a 75) na circunscrição territorial da Serventia, sob pena da adoção das providências disciplinares cabíveis.

Atenciosamente,

ROGÉRIO COELHO
Corregedor

8 comentários:

Anônimo disse...

DONA REGINA CORRE NA BOCA PEQUENA, DITO POR ELES MESMOS QUE TEM DESIGNADOS DE CARTORIOS DO BRASIL INTEIRO BANCANDO FAVORECIMENTO A ALGUEM DO CNJ.

MARIA BONITA disse...

Ao Leitos de 12 Abril, 2010 15:20
Se isso fosse verdade, não teria desembargador e juizes sendo aposentados, e o CNJ não composto por apenas UMA pessoa, e caso iessa informação proceda, Min Dipp e os outros que compõea o CNJ tratarã de extirpar o cidadão de lá.....rs....mas duvido que isso seja verdade, não no atual momento de limpeza que o País está passando....

Anônimo disse...

Oto Sponholz

Natural de Imbituva, no interior do Paraná, Oto Luiz Sponholz nasceu em 15 de dezembro de 1941. Formou-se em Direito pela Universidade Federal do Paraná, em 1964. Foi professor de Direito Constitucional e de Direito Penal, na PUC-PR. É membro do Instituto dos Advogados do Paraná desde 1970, tendo sido presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Secção Paraná. Foi nomeado desembargador na vaga do Quinto Constitucional, em maio de 1986. Foi corregedor, vice-presidente e presidente do Tribunal Regional Eleitoral. No TJ, foi corregedor no biênio 97/98.



Ainda tem pouco de tempo para cassar a aposentádoria deste desembargador bunal de justiça do Estado do Paraná desvio.
Mais conhecido como lalau do anexo do tribunal paranaense.
Que vergonha espero que o cnj tome tento e crie uma nova jurisprudencia de reter o salário deste juiz para se dar exemplo a todos os magistrados do Brasil que não se deve roubar dinheiro público.
Não se deve formar quadrilha com sua toga e subornar os que iriam tomar providência onde está o dinheiro do povo que paga seus impostos em dia.
Agora não pode haver somente perda ou famosa aposentádoria compulsória e sim devemos e o povo quer a perda dos seus vencimentos portanto senhoras conselheiros vamos dar EXEMPLO que deve se fazer com os ladrões da toga que sabemos que tem alguns ai.

Anônimo disse...

Este processo que o cnj analisa a questão otto deve mostrar bem as verdades dos fatos estamos torcendo aqui para seja realizado os valores e carater de uma sociedade muito desmoralizada pela corrupção do poder judiciário e que nestes atos administrativos fraudando o Povo paranaense em desvio de dinheiro público para comprar Haras e cavalos milhionários para seu filho se divertir leiloando...e tal o nosso dinheiro que deveria ser aplicado numa obra em que iria facilitar maior transparência e referencia aos cidadãos brasileiro na acessibilidade a justiça e saber mais que Desembargador otto traz a tona este belo exemplo de roubar dinheiro ou melhor desvio de recursos públicos para favorecimento simplesmente pessoal.

Que bata quente vai ser se tivessemos um sósia do velho Anibal, mas que este sósia não tinha um cnj na época pessoas sérias que querem bem aos cidadãos que pagam impostos e tem direito e garantias como mostra o cnj.
Fiscalizem mesmo e cumpram a Constituição porque este tribunal já passou dos seus limites de tanta corrupção e desvios que a sociedade não sabe e porque não temos transparência pelo poder judiciário do Estado do paraná.
Falta transparência senhor conselheiros do cnj, Atos Administrativos e porcentagem de grandes cartórios entre familiares de Desembargadores e cumpadres e filharada.

Anônimo disse...

Regina o ´1º comentário é pertinente sim, a srª se recorda do micotino e do Rui Stocco, no caso daquelas permutas do Paraná sem concurso público, eles foram extremamente parciais, defenderam seus amigos sim....
O problema é que vão descobrir somente depois que o preju foi grande.
Eu acredito demais no CNJ, mas tambem acredito na versão do anônimo.

Anônimo disse...

Regina Mary pelo visto as desconstituição de cartórios pelo CNJ já virou PIZZA, como tudo neste país, as propinas são sempre muito convidativas, como se diz aqui em garibaldi. Isso não deu em nada pelo contrário so mais uma ilusão aos brasileiros..

Anônimo disse...

Ninguem pensa nos funcionarios de Cartorios,com isso muitos serão mandados embora, familias que dependem deles e ai como fica ? tem coisas muito maiores para se preocupar...

MARIA BONITA disse...

Ao Leitor de 15 Abril, 2010 10:21Pois é, as tramóias dos TJPRs acabam por atingir todos os tipos de pessoas, é um preço a se pagar para se ter um judiciário limpo.....