Páginas

Vamos apurar essa malandragem? Ou será que pode???

Anônimo disse...

SOU DE CURITIBA, FUI A PONTA GROSSA COMPRAR UM APARTAMENTO PARA MEU FILHO, O CORRETOR ME LEVOU A UM CARTÓRIO QUE MAIS PARECIA UM PORÃO, ALÉM DO MAL ATENDIMENTO FEITO POR UMA FUNCIONÁRIA DE NOME GISELE, ME FOI COBRADO DUAS VEZES O VALOR DA ESCRITURA, NO CASO R$ 1500,00 QUANDO INDAGUEI A FUNCIONÁRIA DO VALOR ELA DISSE SER UMA TAXA PARA O CORRETOR, PODE O CARTÓRIO COBRAR ESTA TAXA PARA REPASSAR AO CORRETOR?

19 agosto, 2015 11:42

5 comentários:

Anônimo disse...

Isso é comum....sempre há um parente testa de ferro que possui imobiliária normal!

Anônimo disse...

Regina,ja deram um jeito pra passar a PEC 471, porem caberia apenas para aqueles que entraram antes de 1988, mas sem ps 5 anos, acho que é isso.Foi assim porque alegaram que os Tribunais não estão fazendo os concursos, então ficou como queriam todos voltam aos seus cartorios.

Anônimo disse...

são tantas as malandragens: PODE UM REGISTRADOR DE IMÓVEIS QUE NUNCA FEZ UMA ATA NOTARIAL NA VIDA CORRIGIR UMA ATA NOTARIAL DE UM NOTÁRIO QUE FAZ ATA TODO DIA///////////.

ENTÃO NATURALMENTE AQUELE QUE CORRIGE TEM DE TER MAIS CONHECIMENTO SOBRE O AVALIADO, TÃO LOGO PAIRA UMA NULIDADE MUITO SÉRIA NO CONCURSO DE NOTÁRIOS DO PARANÁ SERIA COMO TIVESSE ESCANCARADO UMA INSEGURANÇA JURÍDICA QUE LEVA A NULIDADE DESTE CONCURSO.

EU PERGUNTO CADÊ OS CONCURSEIRO QUE TUDO SABEM MAS COMO É DO INTERESSE DELES QUE SE DANEM A MORAL. BRASILSILSIL

Anônimo disse...

Para as entidades de juízes, a supressão do concurso público, prevista na revisão constitucional, é um “retrocesso sem precedente”, que, além de ferir de acesso ao serviço público, prejudicaria ainda mais de 100 mil candidatos aos concursos em andamento. Com a aprovação em segundo turno da PEC, eles seriam cancelados. Já estão em fase final, as seleções na Bahia, Espírito Santo e Minas. A candidata Amanda Leite, que se prepara há quatro anos para o concurso, diz que foi formada a Associação Nacional de Concursos de Cartórios que tenta mobilizar os parlamentares. “Não estamos lutando apenas em defesa de um interesse pessoal, mas em defesa de um direito previsto na Constituição”, diz. Desde o início da semana, um grupo de candidatos está em Brasília para sensibilizar os deputados.

Se na Câmara a aprovação não passou por sustos, na sociedade a repercussão caminhou em sentido contrário. Além dos juízes, o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) também já se posicionaram contrários à eliminação dos concursos. No mesmo sentido, o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) também emitiu nota em que afirma: “Não é possível que em pleno século 21 uma PEC que não atende aos vários princípios republicanos seja avalizada”. De acordo com a Ordem, a proposta traz critérios que se assemelham a uma monarquia, ao manter a hereditariedade dos cartórios e eternizar direitos e privilégios de pessoas por causa de consanguinidade. “Não bastassem tais problemas, do ponto de vista legal a matéria é, inclusive inconstitucional, ela fere o direito daqueles que fizeram concurso e aguardam momento de assumirem suas vagas”, conclui o texto.

paulo roberto tomem disse...

Venham para SANTA MARIA DO OESTE ,que aqui fazem qualquer documento no cartório. tanto de morto como vivo